quarta-feira, 18 de abril de 2007

Estudante?


Após mais uma onda de denúncias (é só forçar um pouquinho a memória que a gente lembra que todo ano é a mesma coisa....) veio a polêmica da carteirinha de estudante. Quem NUNCA cogitou fazer uma carteirinha falsificada para obter a vantagem da meia-entrada em cinemas que atire a primeira pedra. Aliás, conheço poucas pessoas que deixaram de estudar já há algum tempo que não tem a dita carteirinha. Quem é que não tem um amigo que tem um vizinho que tem um rimo que tem um “esquema” p/ fazer a carteira da UNE? Alguns esquemas são tão bons que da até p escolher a faculdade e o curso! Eu mesma, já terminei a faculdade há 4 anos e até o março agora estudava e um tal de “Cursinho Inteligente”, segundo a miha carteira de estudante, que me garatia varas idas ao cinema. O bom é que esse auê todo em cima do assunto me fez refletir em cima de dois pontos:

1º. Existe uma lei que garante o benefício da meia-entrada aos estudantes. No entanto essa mesma lei diz que qualquer comprovante de ensino é suficiente para garantir a meia-entrada.
Bom, se é possível pagar meia-entrada apenas apresentando a carteirinha ou boleto da escola, por que gastar para fazer a carteirinha de estudante? Convenhamos, não faz sentido. Hoje a carteirinha de estudante é feita até em restaurantes. E a grana arrecadada ela UNE com a taxa aga para fazer a carteirinha de estudante..... bom, eu juro que pensei bastante e não faço a menor idéia do que é feito com essa grana. E se tanta gente tem a carteira falseta, mas emitida pela UNE.... a grana é alta.
Resolver o problema até que fácil: é só fazer com que sejam válidos para a meia entrada apenas o comprovante da instituição de ensino original, talvez com um carimbo, para evitar o “jeitinho brasileiro”. Só falta boa vontade.

2º. Segundo informações das salas de cinema, hje 70% da bilheteria é de meia-entrada.
Aqui o buraco é um pouco mais embaixo. Muitos alegam usar a carteirinha falsa para pagar meia, já que hoje s preços estão abusivos. De outro lado, os cinemas e casas de show justificam os preços abusivos com o alto índice de “meio-ingresso”. Com isso entramos em um círculo vicioso em que um lado usa o erro do outro para se justificar. Se as entradas fossem mais baratas, o número de carteiras falsas seria menor? E se a fiscalização fosse forte e só os estudantes pagassem meia-entrada, os ingressos teriam um preço mais acessível? Nos dois casos, dúvido. Infelizmente somos brasileiros, e de alguma forma tentamos levar alguma vantagem em tudo que é possível.

Com que mora podemos reclamar de nossos políticos corrutos?
Pensei bastante e fiquei feliz por enrolar tanto ara fazer minha carteirinha “esquema” desse ano. A demora me fez refletir e desistir de fazer a carteirinha. Assim, me sinto apta a criticar políticos, cobrar políticas sociais e até mesmo ingressos mais baratos.

Um comentário:

Pamella disse...

Eu, que sou realmente estudante, não sou obrigada a perder um benefício por causa da má fé de pessoas que falsificam carteirinhas... Paguei um valor para obtê-la e não acho justo que sem o aviso prévio os cinemas deixem de aceitá-la, exigindo um selo de um orgão do próprio deles. Além do mais, SEMPRE há um "jeitinho brasileiro". Duvido que uma carteirinha de uma universidade qualquer não seja fácilmente falsificada também. E vejo sim vatagens em adquirir uma carteirinha como essas, pois ela oferece uma série de vantagens em estabelecimentos comerciais, não somente meia-entrada em teatros, cinemas e shows - utilizo muito a minha na Pizza Hut e no Bobs por exemplo. Além do mais, minha carteirinha tem um selo da SPTRANS, que só permite carteirinha a cursos regulares, e que é solicitada pela própria escola... mesmo assim fui barrada no cinema com ela... acho um absurdo e me sinto ofendida.